Malhada do Cabo da Estercada

Rhizocarpon geographicum

Publicado em Posted in Artigos, Flora

Na serra da Estrela, nos sectores de altitude Líquen mais elevada, existe uma grande diversidade de líquenes, encontrando-se inventariadas mais de 250 espécies, a maioria das quais se desenvolvem em habitats rochosos. A espécie Rhizocarpon geographicum, líquen crustáceo, de cor amarela ou verde, típico de regiões subárcticas ou alpinas, é na serra muito abundante, e confere aos afloramen- tos graníticos das zonas de maior altitude uma tonalidade esverdeada característica.

José Conde
Centro de Interpretação da Serra da Estrela

Geographicum

Pormenor Rhizocarpon geographicum

Os líquenes são organismos simbióticos, isto é, que resultam da associação entre um fungo e uma alga. A alga tem como principal função realizar a fotossíntese, produzindo o alimento necessário à sobrevivência de ambos, enquanto o fungo fornece água, sais minerais, suporte e protecção. Os líquenes apresentam a capacidade de se desenvolverem em locais de difícil colonização por seres vivos, possuem limites de tolerância às oscilações climáticas e ambientais superiores a qualquer outro organismo vegetal e encontram-se numa grande diversidade de ambientes. Distribuem-se desde o nível do mar até às montanhas mais elevadas, desde os desertos tropicais até às regiões polares, sobrevivendo num gradiente extremo de temperaturas e humidade, e colonizando uma grande variedade de substratos, como cortiça, lenhina, solo e, claro, rochas.

No limite poente do planalto dos Poios Brancos, sobre um bloco errático, numa moreia do glaciar do rio Zêzere, a cerca de 1550 metros de altitude, encontra-se um líquen da espécie Rhizocarpon geographicum de grandes dimensões, descoberto pelo geólogo alemão Schroeder-Lanz, em meados dos anos 80, que este autor considerou ter uma idade notável. Para o cálculo da idade do exemplar, com um diâmetro de 24-25 cm e 3-4mm de altura, Schroeder-Lanz aplicou a taxa de crescimento de 3.1mm em 100 anos, aceite para ambientes subárcticos e alpinos a nível global, concluindo que este indivíduo teria cerca de 7700-8000 anos, e seria, muito provavelmente, um dos organismos vivos mais velhos de Portugal. No último pico de glaciação, há aproximadamente 23 mil 18 anos, este local estaria coberto por gelo. Considerando que o último período glaciar na serra da Estrela terá terminado há cerca de 10 mil anos, pode colocar- se a questão se o líquen será contemporâneo do final deste período.

Bloco errático

Bloco errático

A datação da exposição de superfícies rochosas recorrendo ao estudo do crescimento dos líquenes (datação liquenométrica), tem sido utilizada para determinar a data aproximada de retracção de glaciares e do desaparecimento de bancos de neve perenes. A técnica baseia- se na premissa de que se for conhecido o tempo que demorou a colonização da rocha pelo líquen, e for possível medir a sua taxa de crescimento, então uma data mínima de ocupação da rocha (data em que a rocha ficou exposta) pode ser obtida medindo o diâmetro do maior líquen de um local. O método é especialmente Bloco errático Líquen útil em ambientes árcticos – alpinos onde os líquenes crescem mais lentamente e apresentam maior longevidade, podendo atingir em casos extremos idades superiores a 10 mil anos.

A determinação exacta da idade do exemplar em causa apresenta vários problemas, sendo difícil confirmar a idade apontada por Schroeder-Lanz, sobretudo se se considerar o possível intervalo de taxas de crescimento para a espécie e sabendo que o local onde o líquen cresce, nos últimos milénios, esteve exposto a condições climáticas subalpinas. Salienta-se ainda que a determinação da idade do líquen pode ser condicionada por múltiplos outros factores, que é necessário ter em conta, tais como: intervalo de tempo entre a exposição da rocha e a sua colonização; influência de factores ambientais na taxa de crescimento que variam com a região e ao longo do tempo, dependência da taxa de crescimento com a textura do substrato e a sua composição, e a variação das condições climáticas no local. Em relação a questões intrínsecas à aplicação da técnica, pode apontar-se a falta de reprodutibilidade do design de amostragem, e a adequabilidade de utilizar o diâmetro do talo do indivíduo em estudos para indicação da idade. No entanto, apesar destes problemas, a liquenometria em combinação com outros métodos tem-se revelado como uma ferramenta extremamente útil na datação da idade de retracção de gelos em ambientes glaciares. O facto de os valores de taxas de crescimento para ambientes subalpinos serem relativamente baixos, e tendo em conta que o local esteve coberto de gelo, o indivíduo de Rhizocarpon geographicum encontrado pode ser de facto um dos seres vivos mais antigos em Portugal. Porém, a confirmação desta hipótese só poderá ser feita através de um estudo de liquenométrico mais apurado e em complemento com outros métodos de datação. … cerca de 7700-8000 anos, e seria, muito provavelmente, um dos organismos vivos mais velhos de Portugal.

 

Bibliografia

Armstrong, R.A. (1983). Growth curve of the lichen Rhizocarpon geographicum. The New Phytologist, 94 (4): 619-622.

Bradwell, T. & Armstrong, R A. (2007). Growth rates of Rhizocarpon geographicum: a review with new data from Iceland. Journal of Quaternary Science, 22 (4): 311-320.

Jansen, J. (2002). Guia Geobotânico da Serra da Estrela. Instituto da Conservação da Natureza, Lisboa. Rhizocarpon geographicum

Matthews, J.A. (2005). ‘Little Ice Age’ glacier variations in Jotunheimen, southern Norwvay: a study in regionally controlled lichenometric dating of recessional moraines with implications for climate and lichen growth rates. The Holocene, 15 (1): 1-19.

Schroeder-Lanz, H., (ed.), Late and postglacial oscillations of glaciers: glacial and periglacial forms: 393-409. Rotterdam. Schroeder-Lanz, H. (1981). The Oldest Portuguese Being Living: a Lichen in the Serra da Estrela? Finisterra XVI, No.32: 311-316.

Vieira, G. (2008). Combined numerical and geomorphological reconstruction of the Serra da Estrela plateau icefield, Portugal. Geomorphology, 97: 190-207.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *